Sábado, 18 Novembro 2017 15:45

Temos que repensar sobre nosso relacionamento com o açúcar Destaque

Escrito por
Avalie este ítem
(3 Votos)

Todos crescemos com o açúcar fazendo parte de nossa vida! Infelizmente, fomos levados a acreditar que sua única desvantagem é o fato de que pode causar cáries ou levar ao excesso de peso.

Até muito recentemente, as diretrizes governamentais permitiram que até 25% de nossas calorias diárias pudessem vir na forma de açúcares adicionados (a orientação agora é de dez por cento). Isso nem leva em consideração alimentos que são naturalmente ricos em açúcares, como as frutas tropicais, e nem inclui os amidos, ainda que sejam apenas "cadeias de moléculas de glicose" que são FACILMENTE digeridos e absorvidos!Todos crescemos com o açúcar fazendo parte de nossa vida! Infelizmente, fomos levados a acreditar que sua única desvantagem é o fato de que pode causar cáries ou levar ao excesso de peso. Até muito recentemente, as diretrizes governamentais permitiram que até 25% de nossas calorias diárias pudessem vir na forma de açúcares adicionados (a orientação agora é de dez por cento). Isso nem leva em consideração alimentos que são naturalmente ricos em açúcares, como as frutas tropicais, e nem inclui os amidos, ainda que sejam apenas "cadeias de moléculas de glicose" que são FACILMENTE digeridos e absorvidos! 

A indústria açucareira tem uma campanhas contínuas com a finalidade de influenciar nosso pensamento, exigindo nada mais, nada menos que o fim da "demonização" do açúcar. Ela afirma que a ciência contra o açúcar é "incoclusiva", coincidentemente a mesma tática que a indústria do tabaco usou com sucesso durante décadas para lutar contra aqueles que assopravam o apito sobre os perigos do tabaco. Seu mantra é: "Simplesmente mexa-se mais!" Será que é isso mesmo??? É gente, esse realmente é um ótimo conselho, mas, realmente, quem acredita DE VERDADE que o "mexer-se", por si só, vai impedir a onda crescente de obesidade e diabetes tipo II ???

O New York Times, entre outros, trouxeram à luz décadas de práticas de sombrias na indústria do açúcar. Também há revelações, sem surpresa, de que várias organizações proeminentes (a Academia de Dietética e Nutrição, a American Heart Association e a American Diabetes Association, entre outras) aceitaram grandes somas de coca e Pepsi. E, como você está aprendendo agora, também existem outros riscos menos óbvios para o açúcar: Doenças como o câncer, diabetes tipo II e algumas formas de demência também estão ligadas ao consumo de açúcar. 

De forma espalhafatosa, houve algum movimento na direção certa aqui. Mudanças recentes nos requisitos de rotulagem dos alimentos exigem que os fabricantes adicionem uma nova linha para os "açúcares adicionados". Este é um imobilismo sobre o antigo sistema, mas não foi suficientemente longe. Na verdade, vai criar alguma confusão adicional se você acredita que a linha "açúcares adicionados" lhe informa toda a história. Você ainda precisa prestar atenção aos "carboidratos totais": isso inclui uma contagem de todas as formas de moléculas de açúcar no produto. Sob a linha "carboidratos", você verá "fibra". Subtrair os gramas de fibra dos carboidratos totais para chegar aos carboidratos líquidos: este é o foco real da nossa atenção.

 

Referência:

  1. How the Sugar Industry Shifted Blame to Fat

 

Lido 44 vezes Última modificação em Sábado, 18 Novembro 2017 15:54
Dr. Renato Riccio

Médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Medicina Funcional e Integrativa com foco em Medicina do Estilo de Vida

www.drrenatoriccio.med.br
Faça login para comentar

Sobre o Equilibrium

O Centro Equilibrium - Medicina Individualizada vem realizando atendimento médico em Medicina Funcional com foco em Estilo de Vida há mais de 30 anos. Venha conhecer uma forma bem diferente de atendimento médico, que tem como foco a prevenção e a orientação do paciente, buscando juntamente com ele o atingimento de suas metas individuais.

Leia em Vitamina D

  • Deficiência de Vitamina D em homens pode aumentar o risco de cefaléia crônica

    Uma nova pesquisa européia sugere que a falta de vitamina D poderia ter outro efeito sobre a saúde, aumentando o risco de dor de cabeça crônica em homens.

  • Vitamina D e um sono bom e o gerenciamento da dor

    Após uma revisão das pesquisas publicadas sobre a relação entre vitamina D, sono e dor, os pesquisadores sugerem que a suplementação de vitamina D, juntamente com uma boa higiene do sono, pode oferecer uma maneira eficaz de administrar a dor em condições como artrite, dor nas costas crônica, fibromialgia e cólicas menstruais.

  • Menos radioterapia necessária se houver mais vitamina D (câncer de pulmão no laboratório) - março de 2017

    A vitamina D melhora a sensibilização do câncer de pulmão para a radioterapia

  • Vitamina D - novo estudo sugere que ela ajuda a diminuir o risco de câncer

    A vitamina D e o cálcio, há muito reconhecidos como importantes para a saúde óssea, atraíram o interesse clínico nos últimos anos por seus potenciais benefícios não esqueléticos, incluindo a prevenção do câncer.

  • Vitamina D permite prever a agressividade do câncer de próstata

    Pesquisadores americanos sugerem que há uma ligação entre os níveis baixos de vitamina D e a agressividade do câncer de próstata, é o que mostra um estudo publicado no “Journal of Clinical Oncology”.